sexta-feira, 12 de agosto de 2011

APLV, você sabe o que é???


Bom dia meninas!
estava lendo o blog da Carol hoje e ela falava sobre A APLV, como eu não sabia do que se tratava fui procurar pra entender o que era. 
Trata-se da Alergia a Proteína do Leite de Vaca. E um em cada 20 bebês tem essa alergia.
É mais comuns em bebês.
Sinais:
Um ou mais dos seguintes sintomas: vômitos, cólicas, diarréia, dor abdominal, prisão de ventre, presença de sangue nas fezes, dermatites (vermelhidão na pele, descamação, pequenas bolhas e “pele grossa”), problemas respiratórios (asma, chiado no peito e rinite) e emagrecimento. Podem ocorrer em minutos, horas ou dias após a ingestão de leite de vaca ou derivados, de forma persistente ou repetitiva.
Diagnóstico:
Pelo médico, por meio da observação dos sintomas. Alguns exames podem ajudar, mas o diagnóstico é confirmado apenas pelo “teste de desencadeamento”, que consiste na observação da reação do paciente à retirada do leite de vaca e derivados com posterior reintrodução desses alimentos.
E a mãe, pode continuar amamentando?
SIM, e DEVE. Neste caso, a mãe que amamentar deve seguir uma dieta especial, sem leite de vaca e derivados, sempre sob a orientação de um médico ou nutricionista.
E se o bebê não estiver mais mamando no peito, segue alguma dieta especial?
SIM. É necessária a exclusão completa do leite de vaca e seus derivados, além de todos os alimentos preparados com leite. ATENÇÃO aos alimentos industrializados, que podem conter leite ou ingredientes derivados (como, por exemplo, caseína, caseinato, soro do leite  ou proteínas do soro).
O bebê voltará a ter uma vida normal?
Metade das crianças com alergia à proteína do leite de vaca melhora por volta de 1 ano de idade. A maioria (90%) está curada ao completar 3 anos. São poucas as pessoas que continuam alérgicas por toda a vida.

A APLV é diferente da Intolerância a lactose.

Intolerância à lactose
O que é?Dificuldade do organismo para digerir e absorver o açúcar do leite (lactose)
Em que idade é mais comum?É mais comum em adultos do que em crianças. Com o avançar da idade, existe uma tendência natural ao desenvolvimento da intolerância à lactose.
Quais os sinais e sintomas?Diarréia, cólicas, distensão abdominal (barriga estufada) e náuseas são os mais comuns e podem ocorrer em minutos ou horas após a ingestão do leite de vaca.
Como é feito o diagnóstico?Pelo médico, por meio da observação dos sintomas. Em alguns casos são solicitados exames específicos.
A mãe pode continuar amamentando o filho no peito?SIM. O leite materno deve ser sempre o principal alimento oferecido ao bebê. É muito raro ocorrer intolerância à lactose durante o aleitamento materno.
Se o bebê não estiver mais mamando no peito, é preciso que ele siga alguma dieta especial?SIM, quantidades pequenas de leite de vaca e seus derivados geralmente são toleradas, sendo permitido o consumo de alimentos que contenham um pouco de leite, como bolachas, bolos, entre outros.
É preciso dar algum leite ou fórmula especial?SIM, apenas para os bebês que não estiverem sendo amamentados. Para crianças até 1 ano, utilizar fórmulas especiais isentas de lactose. Acima de 1 ano, produtos com baixo teor de lactose são bem tolerados.
O bebê voltará a ter uma vida normal?A maioria das pessoas continua com intolerância à lactose por toda a vida.Mas, se o bebê tiver intolerância à lactose provocada por uma diarréia prolongada, talvez melhore após algum tempo e, então, poderá voltar a consumir leite de vaca.

No caso da APLV, os alimentos que não podem ser consumidos:

Achocolatado com leite em póLeite condensado
Bebida lácteaLeite evaporado
Biscoitos e bolachas com leiteLeite de cabra
Bolos e pães com leiteLeite fermentado
Cereais com leiteLeite fluído, leite em pó
ChantillyLeite integral ou desnatado
Chocolate (com leite ou ao leite)Leite semi-desnatado
CoalhadaLeite maltado
Composto lácteoManteiga, margarina com leite
Creme azedo, creme de leiteMolho branco
Doce de leitePetit Suisse
“Ëngrossantes”com leiteQueijos (todos), queijo ralado
Fórmula infantil a base de leiteQueijo de cabra
IogurtesSorvete com leite

Se seu filho tem alergia ao leite de vaca, leia com atenção a relação de ingredientes dos alimentos industrializados antes de comprá-los ou de consumi-los. Há ingredientes que contêm leite, e outros que podem ou não conter.
Amigas espero que as informações tenham sido útieis pra vocês.
Bjus

5 comentários:

Juni Biscuit disse...

Oi flor, tudo bem? O post me chamou a atenção, pois meu irmão teve isso há 36 anos atrás, minha mãe quase o perdeu! Ela conta mil coisas sobre sua luta até descobrir o que ele tinha, depois que descobriram ele sarou com quatro anos, hoje tem uma vida normal, come de tudo - rsrsrs!
Beijos, parabéns pelo post, muito informativo e útil às mamães de primeira viagem!

Têh~° disse...

haha maes e suas siglas outro dia vi e nao sabia o q era.. haha..
meu irmao tinha intolerancia a lactose, é mesmo mto chato, mas na adolescencia passou.. agor ele ja come de tudo.. tem q tomar mto cuidado com esses pequenos.. beijos

Roberta Fraga disse...

Excelente post! A minha pequena teve intolerância à lactose,aí acabou se acostumando ao leite de soja.
Adorei os esclarecimentos.
Abraços,

Fabi Borges disse...

Meu filho mais velho tem essa alergia, porém só descobrimos a 4 anos quando em um dos exames que a endocrinologista pediu (ele tinha hipertireodismo)foi detectado um indice alto de alergia. então fizemos o exame com todos os tipos de alergia possivel (de sangue) e apareceu este. Tivemos que tirar tudo de leite, deixamos só os alimentos que são feitos com leite. Tiramos danone, bolachas recheadas, tudo o que criança gosta. Foi um sofrimento. Mas ele é compreensivo e entendeu que era o melhor pra ele. Não gostou de leite de soja e a endocrino indicou um leite com 90% a menos de lactose. O alergista e o pediatra deram ok e hoje com a graça de Deus, nosso esforço e o dele principalmente ele está curado, inclusive das duas coisas. E o mais curioso é que para ambos os casos não havia cura. Ah com essa alergia descobrimos também que era a maior causa para as crises de asma, não somente, então isso foi um ganho espetacular, pois depois disso ele teve apenas duas crises em 4 anos sendo que semanalmente isso acontecia. O negócio é não acomodar: viu seu filho estranho, diferente procure um medico e corra atras!!!

Adry disse...

Ótima a informação, antes do meu filho teresse diagnóstico nem sabia que isso existia. É complicado, to tentando recuperar o peso do meu filho há seis meses. Bjs